O jargão “em time que está ganhando não se mexe” não se aplica à franquia NBA 2K. Com o 2K17, a franquia mostra que é possível evoluir, melhorar e sempre seguir em uma linha crescente.

Se você estava acostumado com LeBron James e Russell Westbrook atacando a cesta com facilidade e ou anotando a cesta ou conseguindo a falta, como era no 2K16, esqueça. No 2K17, se um jogador não tem espaço, ele realmente não tem espaço, o que significa que se for tentar a bandeja, mesmo sendo LeBron, você vai errar.

A inteligência tática da máquina melhorou, o que significa que os jogadores exploram melhor os buracos na defesa adversária. A forma de chutar, também mudou. Antes, você tinha que atingir a metade da barra para ter o chute perfeito, e mesmo assim não era 100% garantia de sucesso.

Agora, o chute perfeito é indicado com a barra completamente cheia e na cor verde. Atingindo isso, pode correr para o abraço e comemorar a cesta.

O jeito de driblar também está muito mais realista. É possível quebrar alguns tornozelos controlando Kyrie Irving, mas talvez você se dê mal, criando um turnover, tentando fazer “firulas” com alguém menos habilidoso.

 

A mecânica dos rebotes também mudou. Motivo de reclamação dos gamers nas versões anteriores, onde muitas vezes os jogadores conseguiam alguns rebotes ofensivos fisicamente impossíveis, a disputa pela bola recebeu um recurso de “tapinha” que dá mais realismo ao game e muda um pouco a maneira como agir na situação.

Os sons ambientes também contribuem para o show de realismo. A 2K visitou TODAS as arenas da NBA e captou tendências, comportamento de fãs, sons dos alto falantes. Ou seja, se você já foi ao Staples Center ver os Lakers, saberá que ele está fielmente representado.

Até mesmo os comentaristas fazem uma rotação de jogo a jogo para você ter falas diferentes partida após partida.

Talvez o maior defeito visual de NBA2K17 esteja no biotipo de alguns jogadores, principalmente os mais magros, como Kevin Durant, que aparentam ser mais finos do que a própria realidade.

Vida, carreira e game

O modo principal talvez seja o “MyCareer”, onde você pode criar seu jogador rumo ao estrelato da NBA.

O começo já é impactante. Baixando o aplicativo oficial do 2K17, é possível  escanear seu próprio rosto e aplicá-lo automaticamente no game. A reprodução pode ser bem fiel à realidade, tal como o exemplo abaixo.

REPRODUÇÃO:

Facescan do NBA 2k17

O aplicativo também torna possível jogar um game de cards e ganhar moedas para serem gastas nos modos MyTeam, MyCareer e comprar apetrechos e cartas no console, ou seja, o NBA2K17 não entrega uma experiência apenas de consolem, seja Playstation 4 ou Xbox One, ele consegue atingir e interagir com os jogadores em seus dispositivos móveis, o que o torna a experiência do jogador muito mais interativa dentro e fora das quadras.

Você escolhe estilo, altura e até mecânica de arremesso de seu jogador, além de tatuagens, equipamentos e tudo que um jogador de basquete tem. E é aí que começa o show.

O modo carreira se desenrola como um verdadeiro filme. Totalmente produzido pela 2k  a modalidade conta com o ator Michael B.Jordan (você deve lembrar dele como filho de Apollo Creed no filme “Creed”) como seu rival.

No início da trama você escolhe uma faculdade e a partir disso será avaliado e draftado por suas atuações, de acordo com o que os olheiros avaliam. Pós-Draft, você lida com as dificuldades de calouro da NBA, como esquentar o banco, não ter fãs e a necessidade de construir uma reputação.

Aviso: Uma resposta atravessada na coletiva pode afetar muito sua reputação, para o bem ou para o mal.

Da carreira como jogador, para a de dono de franquia o modo MyGM está mais sem limites do que nunca. Controlando todos os pontos de uma franquia dentro e fora da quadra. Agora, é possível até expandir a NBA para 36 times, construir uma arena e inúmeras outras coisas que só um toque de descompromisso com a realidade pode fornecer.

Os times europeus e clássicos continuam lá, sem novidades da edição anterior do game. A nota negativa é que algumas lendas não estão presentes, provavelmente por falta de acordo nos direitos de imagem. Steve Nash é a principal delas. Logo, jogar com o Phoenix Suns de 2004-05 sem Nash não tem graça nenhuma.

Tirando isso, resumidamente, NBA 2K17 diverte até quem não tem familiaridade com a liga. Aos mais fãs do melhor basquete do mundo, fará os mesmos perderem horas de vida.


Fonte: ESPN GAMES