O clima entre CNB e Keyd não estava muito diferente da última semana da etapa de pontos. Tenso e cheio de rivalidade a Keyd resistiu o quanto pode, mas foi derrotada com autoridade pela CNB por três a um.

 
Vencendo a primeira, a terceira e a quarta partida a equipe dos Blumers, última colocada na primeiro split do CBLOL, infernizou a Keydstars com escolhas e estratégias agressivas. Começando pelo destaque da partida, que desta vez não foi um jogador e sim um campeão. Jhin, O Virtuoso, foi o grande nome da série com 100% de vitórias, três vezes na mão da CNB e apenas uma na da Keyd o campeão foi preciso e indispensável para iniciar de muito, muito longe grande parte das lutas. Sempre em uma posição segura causando lentidão e prendendo seus adversários.

Com escolhas melhores e atuações superiores a CNB foi sólida e explorou o ponto mais fraco dos seus adversários, o jogador do topo Robô. Em todas as etapas de seleção de campeão a equipe dos guerreiros mostrou sua falta de confiança no jogador. Em um metagame focado em campeões carregadores, ou de offtankers, Robô só jogou com personagens de utilidade, com isso ele deixou de ser um pilar preocupante em todas as partidas e foi focado constantemente. A falta de confiança de seus companheiros pode ter vindo das suas atuações inconstantes durante todo o torneio e quando não se tem confiança na capacidade de seus jogadores a equipe tem um sério problema.

Do outro lado a CNB não tinha apenas confiança, tinha vontade, desejo e esperança de voltar a uma final de CBLoL depois de um ano e meio amargando a lista das equipes secundárias. Dentro de todo esse período de espera é importante ressaltar que o técnico Djoko tem um dedo importante, nos fracassos, vitórias e na capacitação da equipe.

Confira o último jogo abaixo:


Felicidade para uns e tristeza para outros, da última vez que a CNB conseguiu chegar a uma final seu jogador do meio e capitão era Takeshi, atual meio da Keyd, que de lá para cá conseguiu bons resultados mas só amargou o segundo lugar. Com a derrota nem mesmo isso o jogador, um dos mais populares de nosso cenário, terá nesta etapa. Outro fato curioso é que das quatro finais que valiam vaga para o WildCard do Mundial a CNB esteve em três e duas foi com o jogador.